Que tal conhecer o poder do marketing digital com uma mentoria GRATUITA?

Você que é empreendedor ou empreendedora já parou para pensar no potencial que o marketing digital tem para impulsionar o crescimento do seu negócio? Em um mundo cada vez mais conectado, estar presente online não é mais uma opção. Mas sim uma necessidade para alcançar e engajar seu público-alvo. Então que tal conhecer o poder do marketing digital com uma mentoria GRATUITA?

Imagine sua empresa sendo encontrada por clientes em potencial a qualquer hora do dia, em qualquer lugar do mundo. Imagine construir relacionamentos duradouros com sua audiência e converter essas conexões em vendas reais. Tudo isso é possível com o marketing digital. E eu, Milena Mancini, estou aqui para ajudá-lo a alcançar esses objetivos.

Sou especialista em marketing digital e diretora da Projetual Comunicação. E estou comprometida em ajudar empreendedores como você. Vamos juntos aproveitar ao máximo as oportunidades oferecidas pelo mundo online. É por isso que estou oferecendo uma hora de mentoria gratuita pra você! Nela poderei compartilhar insights personalizados e estratégias eficazes para alavancar o seu negócio através do marketing digital.

Que tal conhecer o poder do marketing digital com uma mentoria GRATUITA?

Uma hora de mentoria online gratuita! 

Não perca essa oportunidade única de dar um salto em direção ao sucesso do seu negócio. Agende agora mesmo sua hora de mentoria gratuita! E dê o primeiro passo rumo a uma presença digital poderosa e resultados concretos. Que tal conhecer o poder do marketing digital com uma mentoria GRATUITA?

Estou ansiosa para ajudá-lo a alcançar seus objetivos de marketing digital. Vamos juntos ver o seu negócio prosperar online.

Clique no botão abaixo para agendar sua sessão gratuita. Mas corra, as vagas são limitadas!

Se você quiser saber mais sobre meu trabalho, clique AQUI.

Sua marca é figital? Como se destacar na era do consumidor omnichannel?

Você já ouviu falar no termo “figital”? Se ainda não, é hora de se atualizar sobre essa tendência que está transformando a forma como as empresas se relacionam com seus clientes. A palavra é uma fusão entre “físico” e “digital” e representa uma abordagem inovadora, principalmente para aquelas que atuam no varejo. E você precisa se perguntar: Sua marca é “figital”?

No artigo desta semana, vou explorar o conceito de figital, te mostrar as vantagens que ele oferece. Também vou te falar sobre como o marketing digital e a consultoria de marketing podem impulsionar sua marca nessa direção.

O que é figital?

Figital é mais do que uma palavra da moda, é uma estratégia que visa oferecer não apenas produtos, mas experiências aos consumidores. Em um mundo onde a interação ocorre em diversos canais, ser figital significa integrar perfeitamente os processos de divulgação, atendimento, venda e pós-venda, tanto online quanto offline. Essa abordagem alinha-se perfeitamente ao conceito de omnichannel, onde os consumidores buscam experiências consistentes em todos os pontos de contato com a marca.

Adaptando-se ao conceito figital

Por que é importante se perguntar se sua marca é figital? Para adotar o conceito figital com sucesso, é essencial compreender as características do consumidor omnichannel. Segundo uma pesquisa da Maplink, 73% das pessoas utilizam uma variedade de canais antes de efetuar uma compra. Isso inclui desde pesquisas no Google até interações via WhatsApp e compras em lojas físicas. Ou seja: investir em abordagens em múltiplos canais é crucial para otimizar o atendimento e se alinhar aos comportamentos do omnishopper.

O omnishopper demonstra uma série de comportamentos, tais como:

Webrooming: pesquisa online antes de comprar em uma loja física.

Clicar e coletar: realiza compras online para retirar em uma loja ou quiosque.

Scanning/Scramming: digitaliza produtos na loja para encontrar ofertas online.

Showrooming: vê um produto na loja e realiza a compra no site do mesmo varejista.

Clicar e enviar: compra um produto online enquanto está na loja física.

Por que adaptar-se é necessário?

A adaptação ao conceito figital é uma necessidade para empresas que desejam prosperar na era do consumidor omnichannel. Ignorar as expectativas desse cliente ativo digital e fisicamente, contudo, pode resultar em perda de oportunidades de vendas. O comportamento volátil do omnishopper exige uma antecipação por parte das empresas, preparando processos de marketing e vendas que atraiam e retenham os clientes em todas as etapas do processo.

Imaginem a situação: um cliente está em sua loja física e decide pela opção “clicar e enviar”. Se o produto não estiver disponível para compra online, a experiência do cliente será prejudicada, evidenciando a importância de uma integração eficiente entre os canais físico e digital.

Leia mais:

Confira 5 dicas para transformar seguidores em clientes

Como o marketing digital e a consultoria podem ajudar?

É fundamental poder contar com mentorias e consultorias especializadas para que sua empresa se destaque no universo figital. Através de estratégias personalizadas, é possível otimizar a presença online, integrar os canais de comunicação e proporcionar experiências consistentes aos clientes. Ao investir em marketing digital, as empresas podem potencializar a visibilidade online, conquistar novos clientes e fidelizar os existentes. 

Em resumo, a pergunta crucial para sua marca é: “Você é figital?” Se a resposta for incerta ou negativa, está na hora de explorar as oportunidades oferecidas pelo universo figital. Conte com a expertise de profissionais como os que compõem minha equipe para conduzir sua marca rumo ao sucesso na era omnichannel com uma consultoria que guiará sua marca na implementação eficaz do conceito figital, proporcionando um diferencial competitivo no mercado.

Entre em contato e descubra tudo o que podemos fazer pela sua marca.

Marketing de influência ainda é um bom negócio?

Se você já se questionou sobre a eficácia do marketing de influência, não está sozinho. Às vezes, num cenário digital em constante evolução, é natural indagar se essa estratégia ainda mantém seu poder de, bom… influência. Então, é aí que vem a pergunta: Marketing de influência ainda é um bom negócio?

No artigo desta semana vamos analisar o atual estado do marketing de influência. Além disso, te contar porque ainda é uma ferramenta valiosa para promover sua marca.

Credibilidade

O marketing de influência oferece uma oportunidade única para associar sua marca a figuras respeitadas em seu nicho. Por isso, essas parcerias não apenas aumentam a visibilidade, mas também ajudam a construir credibilidade aos olhos do público.

Alcance

Através de influenciadores, sua mensagem pode atingir diretamente seu público-alvo de maneira autêntica. Desta maneira, essa abordagem direcionada, tem o potencial de gerar maior engajamento à métodos de publicidade mais tradicionais, pois se direciona exatamente para quem você quer falar.

Humanização

Os influenciadores têm o poder de humanizar sua marca, conectando-se emocionalmente com os seguidores. Desse modo, vai além da simples promoção de produtos, pois cria uma narrativa que ressoa com a audiência.

Autenticidade

Em um mundo digital cheio de conteúdo, a autenticidade é um diferencial significativo. Desta maneira, os influenciadores oferecem uma abordagem mais genuína, a fim de promover produtos de uma maneira que respeita a inteligência de seus seguidores.

Plataformas

O marketing de influência não está restrito a uma única plataforma. Ademais, com influenciadores ativos em várias redes sociais, é possível diversificar sua presença online, atingindo diferentes segmentos de público.

Comunidades específicas

Para marcas que desejam aparecer em comunidades específicas, os influenciadores locais têm um papel crucial. Pois eles conhecem as nuances da cultura local ou do nicho com quem conversam, facilitando uma conexão mais profunda e significativa.

Continuidade do engajamento

Ao contrário de campanhas publicitárias pontuais, o marketing de influência oferece a oportunidade de construir relacionamentos contínuos. Portanto, essa continuidade é vital para manter a presença da marca na mente do consumidor.

Mensuração de resultados

A tecnologia avançada permite uma análise detalhada do desempenho das campanhas de marketing de influência. Além disso, métricas como: alcance, engajamento e conversões, são mensuráveis e proporcionam uma compreensão clara do retorno do investimento.

Facilidade de adaptação

O marketing de influência é flexível e pode se adaptar às mudanças nos comportamentos do consumidor. Portanto, os influenciadores têm a capacidade de evoluir com as preferências de seu público, mantendo a relevância ao longo do tempo.

Proximidade

Um influenciador é uma pessoa muito mais próxima de seu cliente que uma celebridade. Assim, ao ver uma “pessoa comum” falando de algum produto, o seguidor se que se identifica com seus gostos e perfil poderá ver a si mesmo usando o seu produto.

Por que o marketing de influência continua a ser uma escolha estratégica?

Em resposta à nossa pergunta inicial, se o marketing de influência ainda é um bom negócio, podemos afirmar que sim. Logo, o marketing de influência ainda funciona e continua a ser uma escolha estratégica para marcas que buscam se destacar em um ambiente digital saturado. 

Se você deseja explorar mais todas as nuances do marketing digital e saber como elas podem impulsionar sua marca, entre em contato com a minha equipe

Imagem: Freepik

5 dicas para fazer a psicologia das cores trabalhar a seu favor no marketing

5 dicas para fazer a psicologia das cores trabalhar a seu favor no marketing

Você já ouviu falar em psicologia das cores? Assim como a escolha das cores de ambientes ou roupas pode afetar nosso humor e nosso comportamento, no marketing isso também é uma verdade. No post de hoje eu trago pra você 5 dicas para fazer a psicologia das cores trabalhar a seu favor no marketing.

O que é a psicologia das cores?

A psicologia das cores é um estudo sobre como as cores afetam nosso humor e nosso comportamento. Sabe como quando alguém diz que está “vermelho de raiva” ou que o azul traz tranquilidade? É mais ou menos isso.

Estudos médicos sugerem que a cor vermelha se correlaciona com um aumento na pressão arterial e a cor azul corresponde com uma diminuição.

Esse estudo demonstra como as cores também têm um impacto no nosso comportamento e por isso são fundamentais na escolha da tinta para a parede da nossa sala ou quarto, por exemplo. Cores quentes (como vermelho ou laranja) tendem a criar ambientes mais alegres e cheios de energia. Já cores mais frias (como verde ou azul), contudo, trazem ar de tranquilidade e paz.

E como isso funciona no marketing?

As cores que você usa em sua marca, em sua identidade visual e até nas paredes da sua loja e no seu uniforme desempenham papel fundamental no comportamento do seu consumidor.

Você já pensou por que as cores das logomarcas do McDonald’s do Burger King são o vermelho e o amarelo? Pois ambas são cores que remetem à fome e alegria. Existe até uma teoria chamada de teoria do Ketchup e da Mostarda, o que faz com que o cliente queira parar na loja para poder comer algo.

E o marketing precisa entender estas cores para se conectar emocionalmente com o consumidor. Afinal, as cores trazem uma resposta emocional em todos nós, estejamos conscientes disso ou não.

Por isso é importante que você dê um pouco mais de atenção para a escolha das cores na hora de construir a sua marca e sua identidade visual.

Confira abaixo 5 dicas para fazer a psicologia das cores trabalhar a seu favor no marketing.

5 dicas para fazer a psicologia das cores trabalhar a seu favor no marketing

5 dicas para fazer a psicologia das cores trabalhar a seu favor no marketing

1. Conheça ao menos o básico da teoria das cores

Tente se familiarizar pelo menos com o básico sobre as relações das cores com nosso comportamento:

  • Vermelho: excitação, paixão, raiva, perigo, ação, ansiedade, poder.
  • Laranja: ludicidade, simpatia, criatividade, cordialidade, entusiasmo.
  • Amarelo: felicidade, otimismo, alerta, alegria, originalidade, entusiasmo.
  • Verde: Juventude, vibração, vigor, natureza, crescimento, estabilidade.
  • Azul: Calma, estabilidade, profundidade, tranquilidade, confiança.
  • Roxo: Realeza, luxo, romance, introspecção, calma.

2. Comece pela emoção

Seja na escolha da sua marca, do ambiente ou da identidade visual de suas redes sociais, sempre procure começar se perguntando: qual a emoção que desejo transmitir?

3. Inspire-se em outras marcas

Procure perfis e identidades visuais de outras marcas (do seu nicho ou não) e inspire-se nelas.

4. Faça testes

Lembre-se que para toda regra há uma exceção. E pode ser que a cor que você escolheu, por algum motivo, acabe por não transmitir a emoção que você esperava. Por isso é fundamental fazer testes e ver o que tem melhor resultado.

5. Na dúvida? Use azul

Não é por acaso que tantas marcas de tantos setores diferentes usam o azul em suas logomarcas: ele é a cor favorita mais popular no mundo todo. Então na dúvida, aposte na segurança.

Está buscando uma equipe de experts para trabalhar no marketing digital da sua empresa? Fale comigo. A equipe da Projetual está pronta para te ajudar a utilizar a psicologia das cores na comunicação visual da sua empresa.

Neuromarketing: a ética na neurociência aplicada ao marketing

Neuromarketing: aspectos éticos da neurociência aplicada ao marketing

Se toda mudança ou inovação, por si só, já tende a causar algum desconforto, no caso das tecnologias pode ser ainda pior: muitas causam medo ou até alarmismo. No artigo de hoje falo sobre o neuromarketing e sobre a ética da neurociência aplicada ao marketing.

A ética no neuromarketing

Seria por desconhecimento do que realmente são e para que servem que muitos se sentem desconfortáveis diante de novas tecnologias? Ou seria um receio advindo de experiências passadas – aprendizados como a aplicação das descobertas de Marie Curie como vemos no longa ‘Radioactive‘ da Netflix, por exemplo? 

No caso da neurociência – que pode ser aqui sintetizada como o estudo do sistema nervoso e suas funcionalidades -, vemos alguns debates quando falamos nos limites da ética da neurociência aplicada ao marketing. 

As principais críticas se referem ao neuromarketing como um conjunto de técnicas que induzem comportamentos ligados ao consumo, em suma, com a famigerada disseminação do conceito de “gatilhos mentais” como sendo uma das principais técnicas de neuromarketing. O termo acabou por se popularizar como se o cérebro – e o próprio comportamento humano – fosse tão simplista que pequenos textos, ou um agrupamento de palavras de “escrita persuasiva”, pudesse sozinho induzir a uma ação imediata e impulsiva, de modo quase generalizado e automático.

O neuromarketing como uma “multidisciplina”

Contudo, prefiro entender o neuromarketing como uma multidisciplina, que une conhecimentos da neurociência com psicologia e biologia. Pois, como diz o professor Pedro de Camargo, autor e especialista no tema, “somos afinal seres biológicos. E temos um cérebro velho em um mundo novo”.

Em suma, isso significa que podemos sim entender alguns padrões dos seres humanos, inclusive relacionados ao consumo. E entendendo as preferências humanas, podemos adequar nosso ambiente de loja, nossos produtos ou serviços e nossas próprias peças de comunicação, para que, em suma, se tornem mais agradáveis ao público com o qual a marca pretende se relacionar.

Por isso, aqui temos a venda como a consequência de um processo, com uma jornada de consumo mais agradável para ambas as partes. Entendo, portanto, que embora precisemos sim discutir os aspectos éticos que o envolvem, o neuromarketing trabalha para descobrir padrões cerebrais e emocionais cuja sintonia possa produzir uma experiência de compra memorável.

Se, por um lado, ainda não podemos prever até onde o estudo do cérebro vai nos levar, por outro prefiro acreditar que um melhor entendimento do comportamento humano está à serviço dos consumidores e não ao contrário. Pois, como diz Seth Godin, “Os profissionais de marketing não usam consumidores para resolver o problema das empresas. Eles usam o marketing para resolver o problema de outras pessoas.”

Quer saber mais e entender como aplicar o neuromarketing em suas campanhas? Clique aqui e entre em contato com a minha equipe.

============================================================

Fontes de referência:

CAMARGO, Pedro de. Neuromarketing: a nova pesquisa de comportamento do consumidor. Editora Atlas.

GAULIA, Luis Antônio. Neuromarketing: a essência do comportamento. Descomplica Digital.

GODIN, Seth. Isso é Marketing: para ser visto é preciso aprender a enxergar. Alta Books.

RADIOACTIVE. Netflix. Assistido em 2021.

NEUROCIÊNCIA. Wikipedia. https://pt.wikipedia.org/wiki/Neuroci%C3%AAncia   Acessado em 31 de agosto de 2023.