Como conquistar clientes com anúncios de 6 segundos no YouTube

bumper_ads

Você talvez nunca tenha ouvido falar em “Bumper Ads”, mas provavelmente já passou por eles. Sabe aqueles anúncios de 6 segundos que rodam antes de vídeos no YouTube e não podemos pular? Esses são os bumper ads, que podem ser muito eficazes pra sua marca.

Esses anúncios são maneiras rápidas e de baixo custo para se comunicar em tom certo com o público, seja para divulgar um novo produto ou serviço e gerar atenção para a marca (brand awareness). Alcance e visibilidade são suas maiores vantagens.

Vou te falar hoje por que esses anúncios de 6 segundos no Youtube são uma boa ideia para o seu negócio e principalmente o que você precisa saber antes de fazer os seus.

As vantagens dos Bumper Ads

Rápido e eficaz

“Grande impacto com histórias pequenas”, esse é o lema que o Google dá aos Bumper Ads, que existem desde 2016. De fato, mensagens rápidas e eficazes acompanhadas de imagens atraentes são capazes de criar anúncios incríveis e marcantes.

Como o usuário não pode pular esse tipo de anúncio, a marca e sua mensagem ressoam entre o público-alvo para ficar marcadas rapidamente. Por isso, é importante ter um bumper ad bem elaborado – falarei sobre isso daqui a pouco.

Bumper ad da fabricante de veículos Mercedes-Benz. A marca brinca com o tempo que o veículo leva para chegar a 100km/h e a velocidade do próprio anúncio.

Custo baixo

Outra vantagem gigante dos bumper ads é o seu baixo custo, já que o Google usa o modelo de cobrança “cost-per-impression” ou “Custo por impressão”. Nesse caso, a marca dona da campanha só é cobrada cada vez que o vídeo atinge +1000 visualizações. Também é possível estipular limites diários no orçamento para não gastar mais que o pretendido. De toda forma, esse método costuma trazer excelente custo-benefício.

Essa economia pode estar na própria produção do anúncio: uma combinação de imagens e GIFs com frases, por exemplo, já pode criar um bumper ad eficiente.

Compatível com o usuário

O formato dos bumper ads valem a pena pois são compatíveis com a maneira que os usuários consomem vídeos hoje em dia: rapidamente e com preferência ao mobile. E mesmo com usuários querendo conteúdos longos, ganham as marcas que conseguem surpreender em anúncios de 6 segundos e dizer muito com pouco, sem atrapalhar a experiência dos consumidores nas plataformas.

Leia também: Como deve ser o mundo pós pandemia?

Bumper ad da fabricante de automóveis Nissan anunciando um novo veículo

Como criar bons anúncios de 6 segundos

Para bumper ads eficazes que criam brand awareness e fazem valer o investimento, algumas diretrizes simples precisam ser seguidas na hora de produzir o vídeo de anúncio.

Simples e objetivo

Quem tenta dizer muito em anúncios de 6 segundos no Youtube acaba dizendo nada. Por isso, é importante criar o bumper ad com um objetivo claro e falar através de algo simples e direto.

Isso não quer dizer que a mensagem será vazia. Basta escolher exatamente o foco da mensagem. Por exemplo: no caso de uma fabricante de móveis que quer divulgar uma nova linha de produtos, o vídeo pode dizer e mostrar rapidamente a origem da inspiração para o design, ou, focar na durabilidade dos materiais. Falar das duas coisas no mesmo anúncio, porém, já seria demais em tão pouco tempo.

Evite exageros

Para deixar simples e objetivo, evitar exageros é essencial. Em um anúncio de 6 segundos, ter vários frames com várias palavras voando na tela pode distrair facilmente da mensagem principal. Por isso, o mínimo é o melhor caminho aqui.

Comece impactante

Mesmo sem poder pular o anúncio, o usuário só vai prestar atenção nele se for impactante. Por isso, ganham os bumper ads que já iniciam chamando atenção, seja pela música, frase ou imagem.

Crie materiais originais

Muitas marcas têm um grande acervo de vídeos e anúncios que podem pensar em reaproveitar, e é melhor não fazer. Bumper ads de sucesso são estratégicos no aproveitamento do tempo, e por isso são criados especialmente para essa finalidade.

Como veicular bumper ads?

Com seu vídeo de anúncio pronto e perfeito, seguindo todas as indicações acima, a parte mais fácil é subir ele para o Youtube e começar a campanha. Para não deixar esse texto muito longo, vou sugerir a leitura deste breve tutorial do Google. Não tem erro!

Viu só como é possível impactar o público com anúncios de 6 segundos no Youtube? É claro que os bumper ads devem fazer parte de uma estratégia mais ampla da marca para serem eficazes, estratégia essa elaborada por quem entende dos segmentos e ferramentas.

Então, quer criar visibilidade para sua marca em poucos segundos da forma certa? Preencha o formulário no fim desta página que eu vou te ajudar!

Millennials e Geração Z: diferenças no hábito de consumo entre as gerações

Diferença entre Millenials e Geração Z

Produzi esse texto para ser publicado em Junho de 2019 no Portal da Comunidade Sebrae. Divido aqui com vocês para ampliar o alcance do conteúdo! Espero que gostem, boa leitura.

Como sempre falo em meus conteúdos, consumidores não possuem hábitos rígidos, imutáveis com o tempo. Assim como o mundo muda, os hábitos de consumo também mudam de geração para geração.

Quando falamos sobre os millennials ou Geração Y, por exemplo, a geração nascida entre meados das décadas de 80 e 90, temos um grupo de pessoas bem mais “independente” do que a geração anterior.

Os millennials, que já eram adolescentes ou jovens no boom da Internet, são mais decididos em suas escolhas e possuem mais autonomia nos processos de compra, e obrigam as empresas a criarem estratégias diferenciadas para atrai-los.

Dentro de poucos anos, porém, o mundo também será recheado de pessoas da Geração Z, aquela que nasceu entre o fim da década de 90 e 2010. Por sua vez, essa geração já nasceu com a internet a todo vapor, aproveitou vários aparelhos tecnológicos e desde cedo possui smartphones. Entre millennials e Geração Z, portanto, os hábitos de consumo e interação são diferentes.

Hoje, com uma ajuda da Forbes, vou explicar algumas diferenças entre Millennials e Geração Z. São coisas que as empresas precisam ter em mente para atender às expectativas de seu público-alvo e fisgar seu interesse.

Entendendo diferenças entre Millennials e Geração Z

Ambas as gerações são digitalmente fervorosas, mas agem na internet de formas diferentes. A Geração Z costuma ser mais a par das tendências, interagir mais e estar em diversas frentes ao mesmo tempo. Os millennials são aqueles que também usam a internet como forma profissional e a vê como ferramenta de trabalho.

Suas semelhanças fazem, às vezes, com que muitas empresas os coloquem “no mesmo saco”, utilizando estratégias semelhantes para atrair os dois públicos.

Influenciadores digitais são mais relevantes para a Geração Z do que para os Millennials.

Para se ter uma ideia melhor, é só ver as coisas por este lado: os Millennials são aqueles com idades entre 19 e 30 e poucos anos, enquanto a Geração Z possui entre 11 e 18 anos. De certo modo, é a diferença entre um adolescente e um adulto, e nós sabemos que as distinções entre esses públicos são muitas.

A Geração Z gosta mais do Marketing de Influência

O Marketing de Influência é uma estratégia crescente entre diversas empresas, como nós já comentamos no blog da Projetual. A ideia de utilizar influenciadores digitais para atrair um grupo ou público-alvo específico é uma estratégia aplicada por diversas empresas, direcionada principalmente ao público mais jovem.

Os Millennials também gostam dos influenciadores, mas é comum que eles vejam os Youtubers, por exemplo, como mero entretenimento. Já a Geração Z costuma ver esses influenciadores como ídolos, papéis a serem seguidos e de fato seguem suas opiniões.

Segundo um relatório do Google, cerca de 70% da Geração Z que acompanha youtubers vê essas personalidades como pessoas mais relevantes e influentes do que as celebridades tradicionais.

Para atingir esta geração na estratégia do marketing de influência, é importante entender bem o público e qual tipo de conteúdo é mais relevante para ele.

Millennials utilizam mais o e-commerce

Quando falamos do quanto o e-commerce tem crescido nos últimos anos, e deve continuar crescendo, grande parte da culpa é dos Millennials.

A geração de jovens atuais confia muito mais nos dispositivos eletrônicos para fazer compras, enquanto boa parte das estratégias das empresas é direcionada para eles.

De acordo com pesquisas atuais, em torno de 70% ou mais dos Millennials faz compras online, comprando em média uma vez ao mês. A grande disponibilidade de produtos básicos online também aumentou a presença digital destes consumidores.

A Geração Z certamente vai comprar mais online no futuro. No entanto, como ainda são muito jovens e não possuem muito poder de compra, é difícil esperar deles o mesmo que os Millennials fazem.

A Geração Z está mais presente na internet

Como falei no início, é fácil identificar que os mais jovens estão mais presentes na web, navegando por mais tempo e com mais perfis em redes sociais.

Segundo a Forbes, enquanto os Millennials costumam navegar em média por até 3 telas ao mesmo tempo, a Geração Z fica presente em até 5 telas ao mesmo tempo. Isso quer dizer que esta geração de adolescentes e jovens está bem mais conectada que os Millennials e, portanto, presente em mais canais.

Os mais jovens querem mais autenticidade e independência

Os Millennials já deixaram claro que gostam de conteúdo original e autêntico, ou seja, nada dos “cowboys da Marlboro” e outras coisas fantasiosas e editadas. O que vale são as histórias e benefícios reais de um produto ou serviço.

Mas a Geração Z está mais longe, e está deixando claro que gosta de conhecer a marca por trás do serviço e se relacionar com ela. Nada de Photoshop, histórias mirabolantes e celebridades antigas.

Isso quer dizer que eles gostam da transparência da marca e da sua atitude com o mundo, o que também justifica o gosto da Geração Z pelos produtores e serviços locais, mais próximos a eles.

Entre Millennials e Geração Z, a tendência que grita forte são as noções de independência em relação as marcas. Enquanto os Millennials já possuem essa característica, a Geração Z leva ela ainda mais longe.

De acordo com um estudo da empresa Ernst & Young, que analisou os hábitos de consumo entre as gerações, cerca de 45% dos Millennials gostam dos programas de fidelidade das empresas, criados para fazer o consumidor continuar comprando. Entre a Geração Z, apenas 30% acha que esses programas são uma boa ideia.

Espero ter ajudado você a entender as diferenças entre os futuros maiores públicos consumidores. Lembrando que utilizei informações deste conteúdo da Forbes para compor este artigo.

Até a próxima! ?