Entender a jornada de compra do cliente pode te ajudar a vender mais

jornada de compras

Você conhece a jornada de compra do cliente? Essa é a pergunta que todo empreendedor deve se fazer para si mesmo. Hoje, mais do que nunca, é preciso investir em relacionamento para conquistar a sua audiência.

O que é a jornada de compras?

A jornada de compra é o caminho que uma pessoa percorre até  concretizar uma compra. Esta jornada possui 4 etapas: a) aprendizado e descoberta, b) reconhecimento do problema, c) consideração da solução e, por fim, d) decisão de compra.

Aprendizado e descoberta

Nesta primeira etapa, seu cliente (ou potencial cliente) não sabe muito bem que tem um problema ou uma necessidade. Ele ainda está despertando o interesse para um determinado tema.

Reconhecimento do problema

Nesta segunda etapa, o cliente já sabe as vantagens do seu produto ou serviço, por isso, na etapa de reconhecimento do problema, você deve mostrar ao cliente porque ele precisa da sua ajuda. No meu ponto de vista,  é seu papel criar essa necessidade e mostrar como o seu negócio pode ajudá-lo. Um blog, por exemplo, pode ser uma boa maneira de trazer essa abordagem. 

Consideração da solução

Nesta etapa, o consumidor já sente a necessidade de utilizar um produto ou serviço de um determinado nicho, ele mapeia algumas soluções possíveis e começa a avaliá-las. Qual o seu papel nesta fase? Para mim, você deve se mostrar mais relevante do que a sua concorrência. Uma boa dica para isso é criar um senso de urgência, um cupom ou um desconto podem ser boas estratégias para que a pessoa escolha a sua loja.

Decisão de Compra

Esta é a fase mais importante da jornada de compra do cliente, é o momento em que ele ou ela decide aderir o seu produto ou serviço, por isso, você precisa investir em um servidor ágil e um suporte bacana. Afinal, você não vai querer perder uma venda porque sua loja tem uma infraestrutura preparada para recebê-lo? Não marque bobeira, se você quer deixar a jornada de compra do seu cliente interessante, você precisa pensar nessas quatro etapas.

Leia também: Como se define uma empresa resiliente?

Como deixar a jornada de compra do cliente mais atrativa?

Deixe sua loja virtual mais atrativa, inclua fotos interessantes e também descrições que sanem todas as dúvidas sobre os produtos oferecidos. Já pensou perder uma venda por deixar de descrever as características dos produtos?

Para evitar que isso ocorra, e claro, tornar a jornada de compra do cliente mais interessante, minha dica é simples: mostre-se disponível para sanar todas as dúvidas da sua audiência.

Você deve conquistar a pessoa mostrando o valor do seu produto na vida dela. E claro: não estamos falando apenas de preço. Questione-se sempre: “Por que meu produto é relevante para o meu consumidor?” “Quais são os meus diferenciais em relação a minha concorrência?” Se for qualidade no produto ou entrega rápida, mostre isso ao seu cliente.

Muitos empreendedores investem em uma logística adequada, qualidade do produto e preço justo, mas se esquecem o mais importante: falar sobre isso. Mas, como o cliente (ou potencial cliente) vai saber sobre todas essas vantagens se você não mostrar a ele? Não tem como, não é mesmo?

E como mostrar os benefícios de comprar em sua loja? 

Ao meu ver, você deve usar as redes sociais, elas, além de um potencial ponto de vendas, servem como uma vitrine dos benefícios da sua loja. Crie um calendário de publicações e mostre, ainda que sutilmente, como você pode ajudar o seu cliente.

Depois de deixar seus canais de venda impecáveis, estimule a venda. Sabe aquela promoção ou cupom para atrair mais vendas? Essas podem ser as estratégias certas.

Mas fique atento: não adianta atrair seu cliente uma vez e após fechar a venda sumir da vida dele. Isso pode trazer uma imagem negativa ao seu negócio. Após seu cliente realizar a compra, você pode enviar um e-mail questionando se ele gostou (ou não) dos produtos? Mostre-se disponível para ouvir e fazer melhorias, é assim que você fideliza um cliente e garante a recompra.

Consultorias e planos de marketing focados em suas necessidades podem fazer seu negócio decolar, eu posso te ajudar nisso. Vamos conversar? Entre em contato!

O Design na Decisão de Compra: como um impacta o outro?

design decisao compra

O que tem a ver o design na decisão de compra? Saiba que a decisão de compra de um cliente é fortemente impactada pelo design. Confira mais sobre o assunto!

Você sabia que ao comprar um produto que lhe chamou a atenção, você foi altamente influenciado pelo design na decisão de compra? É bem provável que isso realmente tenha acontecido!

Afinal, ao escolher produtos nas prateleiras dos supermercados, ao finalizar o pedido em uma loja virtual e até no momento de contratar um serviço, existem inúmeros fatores que podem te influenciar a decidirse é aquilo mesmo que você quer.

Esses fatores foram feitos para te conduzir inconscientemente a uma nova etapa da jornada de compra do marketing. O design na decisão de compra é um destes grandes fatores e tem papel primordial em todo esse processo.

Isso porque é ele quem passa mensagens por meio de imagens, cores e outras especificidades que traduzem o que é aquela marca. Ele é aquele elo de ligação imprescindível entre o produto e o público-alvo.

Quer saber mais sobre o design na decisão de compra? Acompanhe com a gente nos próximos parágrafos:

Os reflexos do design na decisão de compra

Em tempos de pandemia e era 4.0, não adianta “apenas postar” nas redes sociais e fazer anúncios na internet. Você precisa, sem sombra de dúvidas, conhecer a fundo o seu público-alvo. Além disso, é preciso ter em mente alguns outros fatores que influenciam diretamente na decisão de compra do seu cliente.

Considerando tudo isso e trabalhando bem com o design, é possível passar uma imagem muito mais certeira da sua marca, além de encantar seu cliente de forma correta. Inclusive, é uma maneira prática de evitar desperdícios com campanhas que, provavelmente, não dariam muito certo.

Agora, vamos falar um pouco mais sobre as etapas da jornada de compras, o poder de influência sob o consumidor e como o design pode ajudar nisso tudo! Veja só:

Jornada de Compra: o que isso significa?

Pode ser que levem anos, mas, pode ser que leve apenas alguns minutos para que o seu cliente decida que irá mesmo finalizar aquela compra. Tudo depende de algumas informações acerca do produto e também do perfil do consumidor.

Quando falamos, por exemplo, da compra de um imóvel, dificilmente o interessado irá logo na imobiliária com o dinheiro contado e o apartamento escolhido para comprar. Esse processo normalmente leva semanas ou até meses para escolher o imóvel ideal e realizar o financiamento, não é mesmo?

Então, podemos perceber que, neste caso, a decisão de compra acontece em um período mais longo. Afinal, é preciso muita pesquisa, conversar com muitas pessoas e levar em consideração uma série de requisitos.

Porém, se prestarmos atenção aos produtos de menor valor agregado, como um sapato em uma lojinha virtual, perceberemos que, na maioria das vezes, é quase que instantânea a decisão de compra do cliente. Em poucos cliques, o produto já foi decidido e comprado pelo cliente.

Contudo, nas duas situações, as etapas de compra são as mesmas e isso acontece mesmo tendo alguns aspectos externos influenciadores da decisão. Algumas pessoas, além de tudo, podem nem perceber esses aspectos que, muitas vezes, foram pensados por anos.

Mas, o que um bom Designer toma em conta quando sabe realmente trabalhar com Branding? Sem dúvida nenhuma são estes aspectos:

  • classe social;
  • fatores psicológicos;
  • aspetos culturais;
  • personalidade;
  • faixa etária;
  • círculo social;
  • lifestyle;
  • e muito mais!

Todos esses pontos são estudados minuciosamente para que se consiga entender a fundo quem é a persona daquela marca, como ela se comporta, o que gosta de fazer e até quanto dinheiro consegue movimentar. São características que contribuem para, além de criar suas campanhas, construir uma identidade visual condizente com o público-alvo e suas expectativas.

A Jornada de Compra

#1 O surgimento de uma dúvida

Tudo começa a partir de uma dúvida ou uma necessidade do consumidor. Às vezes, trata-se apenas de um sonho ou uma vontade daquela pessoa.

Ao compreender quais são as reais necessidades do consumidor, fica muito mais fácil de se fisgar algumas vendas, não é mesmo? E, antes de criar um anúncio ou uma arte para suas redes, o design é trabalhado para servir a essas necessidades do público-alvo – quando não as cria.

#2 A solução dos problemas

No momento em que o target começa a pesquisar sobre aquela necessidade, buscando conhecer um pouco mais sobre aquele serviço ou produto que está interessado, ele já partiu para a segunda fase da jornada de compra. Aqui ele está um pouco vulnerável e aberto para receber informações sobre aquela dúvida.

Um ponto-chave para influenciar na decisão de compra é sempre estar presente no dia a dia do consumidor. Anúncios de remarketing, por exemplo, são estratégias bem diretas para essa fase. Afinal, quem não é visto, não é lembrado.

Além disso, é quase que óbvio dizer que o site precisa estar bem otimizado e com informações distribuídas de forma clara e concisa. A navegabilidade precisa ser imprescindivelmente intuitiva e com imagens de bastante qualidade. Você também pode explorar os recursos das redes sociais, iniciando por lá o contato com a sua persona.

Vale lembrar que, nos dias de hoje, o consumidor sempre está buscando informações a respeito daquilo que deseja. Logo, é preciso prestar bastante atenção na comunicação e na experiência do usuário para atender às necessidades destes clientes superexigentes.

#3 A decisão de compra

Falando nisso, é preciso ressaltar que, mesmo que ele clique no botão de “finalizar a compra”, é mais que necessário pensar em toda a experiência que ele leva até tomar essa atitude. Se houver quaisquer fatores que dificultem a compra, ele pode abandonar o carrinho na hora, e não é isso que você quer não é mesmo?

Por isso, para as lojas virtuais, é indispensável que as informações de pagamento sejam de fácil compreensão e visualização para o usuário. Em outras palavras, tudo deve ser bem claro e bem objetivo.

Aqui, um bom trabalho de design pode garantir com que a navegação aconteça de forma fluida e interativa. Satisfazendo as necessidades e os olhos do consumidor.

Motivos de se ter um trabalho profissional de Design

Não importa qual nicho, produto ou serviço que você presta ou faz parte, é mais do que necessário contratar um excelente profissional de Design para transmitir corretamente o conceito e o valor de uma empresa.

Inclusive, o design está presente em todos os processos estratégicos de um marketing eficiente. Trata-se de uma ferramenta valiosa no processo de atrair clientes para as empresas.

O próximo passo é assegurar que tudo isso funcionará da melhor maneira possível. Para isso, conte com a nossa equipe especializada em marketing digital! Entre em contato agora mesmo, clicando aqui!

Você sabe a diferença entre Persona e Público-alvo?

persona e publico alvo

Entender a diferença entre persona e público-alvo ajuda e muito no seu relacionamento com o cliente. Saiba mais!

Você sabe por que um direcionamento correto é capaz de tornar suas campanhas ainda mais assertivas? Pois é conhecendo o seu público que você terá uma probabilidade muito maior de levar a sua mensagem para a pessoa certa. Por isso, é muito importante saber a diferença entre persona e público-alvo para otimizar suas estratégias de marketing.

É importante entender que tanto o público-alvo quanto a persona têm características e intuitos diferentes. Vamos então entender nas próximas linhas como tudo isso funciona! Acompanhe a leitura comigo:

Conheça agora as diferenças entre Persona e Público-alvo

1)    Definindo o Público-alvo

Público-alvo é a primeira coisa que você deve pensar na hora de iniciar a sua campanha de marketing. Tratam-se de pessoas que têm uma grande probabilidade de comprar o seu produto por variadas razões. Para descobrir quem são essas pessoas, é necessário pesquisar informações sociais, econômicas e demográficas.

Agora me responda: seu produto é para empresas ou para pessoas? Onde essas pessoas moram? Homens, mulheres ou ambos usariam seu produto? Qual a idade ou a geração deles? E a renda? Qual o grau de formação? Casados, solteiros ou isso é indiferente para o seu produto? E com qual frequência eles retornarão a comprar? Tendo todas essas perguntas respondidas, você já tem o seu público-alvo bem definido. Fácil, não é mesmo?

O público-alvo é um grande start inicial para construir uma campanha de marketing, de fato. Entretanto, precisamos construir uma melhor investigação do destinatário direto do seu produto. Sendo assim, é extremamente necessário perceber, de uma forma muito mais precisa, como esse consumidor se comporta, a fim de se conseguir uma segmentação realmente eficiente para o marketing digital.

Por essa razão, o público-alvo não tem sido muito utilizado nas ações de marketing. Mas, felizmente, ainda é muito utilizado na hora do projeto do produto, nos estudos de mercado e na definição de canais de comunicação com o cliente, por exemplo.

2)    Conceito de Persona

Buyer Persona, ou somente Persona, é a representação fictícia de um cliente ideal do seu produto. E, tem como principal objetivo, entender assertivamente quem é o seu cliente. Assim, sabendo exatamente o que ele precisa, as chances de suas estratégias de marketing derem certo aumentam consideravelmente.

Especialistas afirmam que”com o uso de personas as vendas geradas em seus sites aumentaram em 124%”. Isso porque a definição da persona tem muito mais detalhes relevantes para se conseguir criar um vínculo ainda mais favorável, e para que a compra possa ser finalizada.

Para construir a sua persona, você precisa criar:

  • um nome hipotético;
  • o cotidiano e o lifestyle da persona;
  • onde ele(a) trabalha;
  • o que costuma comprar e onde;
  • quais redes sociais prefere;
  • quais seus valores e hobbies;
  • quais suas dúvidas e reclamações sobre seu produto;
  • e também seus desejos ou ambições.

Dessa maneira, o direcionamento fica ainda mais focado e eficiente para os seus posts e anúncios chegarem à pessoa certa, por exemplo. Pois a persona consegue te passar dicas valiosas na hora da construção da linguagem do seu conteúdo, nos assuntos que seria interessante trabalhar, quais formatos seriam perfeitos para se oferecer, etc.

Gostou de saber quais são as diferenças entre persona e público-alvo? Se ficou alguma dúvida, ou precisa de qualquer informação a mais a respeito de marketing digital, é só entrar em contato. Até próximo post!