A importância do planejamento de marketing

planejamento de marketing

Você percebe que seu negócio não vai muito bem, as vendas não crescem e parece que você não tem a visibilidade que precisa? Talvez esteja faltando um ponto essencial para o sucesso do seu empreendimento: o planejamento de marketing.

No artigo de hoje, vou falar da importância desse planejamento para a sua empresa, além de algumas dicas essenciais para uma estratégia eficiente. Vamos lá?

O que é planejamento de marketing?

O planejamento é um conjunto de estratégias, fruto de muito estudo, para posicionar uma empresa no mercado, visando destacá-la perante a concorrência, além de conter um conjunto de ações para atingir o público alvo certo, com os produtos e serviços certos.

Qual a sua importância?

Como falei acima, o planejamento tem como objetivo posicionar e destacar a sua empresa no mercado. Mas de que formas isso acontece? Com estudo e pesquisa.

É a partir disso que é possível reconhecer pontos fortes, fraquezas, definir público-alvo, criar personas, analisar a concorrência, fazer benchmarks e coletar dados de mercado para perceber ameaças e identificar oportunidades.

Alguns exemplos de ações a partir do planejamento de marketing:

  • Escolher os melhores meios para as ações. Canais como redes sociais, e-mail marketing, site, blog, etc
  • Análise de métricas e resultados para elencar os erros e acertos
  • Posicionar a empresa no mercado, definindo objetivos e metas possíveis dentro de um determinado prazo
  • Coleta dados para entender melhor seu público-alvo (desejos, gostos, o que esperam do seu produto ou serviços, o que consideram antes de fechar um negócio, entre outros fatores)
  • Análise de ameaças (seja da concorrência, do próprio mercado, etc)
  • Identificar tendências e possibilidades

Alguns passos para um planejamento de marketing mais eficiente

Antes de tudo, é preciso compreender que esse planejamento não pode ser feito de qualquer forma. Esses estudos demandam tempo, paciência e muita seriedade. Portanto, prepare sua equipe para esse trabalho e elenque os principais tópicos a serem analisados: público-alvo, mercado, concorrência, pontos fortes e fraquezas.

Defina quem é o seu principal cliente: para quem eu estou vendendo ou oferecendo esse serviço? Quem se interessaria em fechar negócio comigo? Qual o perfil dessa pessoa?

A partir dessa primeira análise, é hora de investigar a concorrência. Veja quem são os seus concorrentes diretos, seus pontos fortes, suas estratégias, seus diferenciais e, a partir dessa coleta de dados, fica mais fácil saber o que fazer para atrair o mesmo público.

Depois de analisar o ambiente em que você está inserido, vamos aos meios de comunicação. Quais os canais ideais para você passar a sua mensagem e mostrar quem você é? Que tipo de comunicação você deve estabelecer nesses canais? Você é mais formal ou informal?Seu público é mais velho ou mais jovem?

Vejam, por mais simples que pareça, cada um desses pontos faz toda a diferença na hora de traçar uma estratégia. E é sempre bom lembrar que a estratégia pode não funcionar de forma imediata. Por isso sempre falo que um bom planejamento é feito por tentativas. Erros serão cometidos (mas nada tão grave que possa prejudicar a sua imagem, ok?) – um anuncia que não foi bem executado, uma publicação que não trouxe o engajamento necessário, entre outras possibilidades.

Por isso, não desanime! E conte comigo para a construção de uma estratégia de marketing eficiente. Entre em contato e vamos fazer a sua empresa crescer!

A relação entre a conexão emocional e o marketing

conexão emocional

Você já se interessou por um serviço ou produto após ver um comercial ou anúncio de uma peça envolvente, que emocionou ou trouxe boas lembranças? Se já, você com certeza teve um envolvimento emocional com uma marca.

E, apesar de parecer irrelevante, essa é uma das formas mais importante de se conectar com seu público e clientes em potencial: por meio das emoções.

Para você entender melhor a importância da conexão emocional para realizar boas vendas e, claro, destacar-se no mercado, preparamos esse artigo. Acompanhe!

Por que ‘conexão emocional’?

No livro “Marketing 3.0”, o autor Philip Kotler explica que nossa era é a “era dos valores”, portanto, em vez de tratar as pessoas como simples consumidoras, os profissionais de marketing devem tratá-las como o que elas são de verdade: seres humanos plenos, com mente, coração e espírito.

Dito isso, podemos entender que hoje as pessoas não querem mais consumir passivamente. As pessoas estão com seu senso crítico cada vez mais apurado, e procuram consumir de marcas e empresas cujos valores estejam alinhados com os seus.

Para exemplificar, algumas palavras-chave passaram a se destacar no mercado como formas de atribui valores às marcas: sustentabilidade, respeito, acessibilidade, equidade, diversidade, etc.

Você com certeza já viu essas palavras relacionadas à algumas marcas, e elas resumem bem o que Kotler fala sobre o anseio de transformação para um mundo melhor: em um mundo confuso, as pessoas buscam empresas que abordem suas mais profundas necessidades de justiça social, econômica e ambiental em sua missão, visão e valores.

Como criar conexão emocional?

Agora que você compreende melhor o que é a conexão emocional, pergunte-se: quais são os meus valores enquanto empresa? O que tenho a oferecer ao meu público?

Antes de responder essa pergunta, é importante conhecer bem o seu público: o que ele gosta, pelo que ele se interessa, o que defende, o que critica, o que espera do seu serviço ou produto, o que você tem a oferecer para tornar a vida dessas pessoas melhores, o que você pode fazer para contribuir para um mundo melhor.

Não espere fazer coisas grandiosas em um primeiro momento. Pequenas ações já fazem a diferença, como o atendimento humanizado, a honestidade com seus clientes, a demonstração e a prova de que sua empresa e sua marca são de respeito e segurança.

Peça feedbacks (e use-os!)

Ninguém gosta de ser ignorado, certo? Então se você pede feeback sobre um serviço ou produto e se receber uma resposta negativa, não ignore. Pelo contrário, essa é a oportunidade de mostrar os seus pontos positivos, que você respeita o consumidor e que você está sempre disposto a melhorar.

Se você estabelece uma comunicação com seu público, esteja preparado para os dias bons e ruins. Haverão elogios, mas também críticas. Isso não significa que você fracassou, mas que há sempre um ponto que pode – e deve! – ser melhorado. E bom desempenho da sua marca diante da concorrência e do mercado depende disso: do seu consumidor.

Esse artigo foi um pequeno resumo sobre a importância da conexão emocional com as estratégias de marketing. Entenda que atingir o consumidor é a sua meta, mas, para isso, deve-se pensar em estratégias assertivas, efetivas e sinceras.

Se você quer saber mais sobre o assunto e como trabalhar as emoções na estratégia da sua empresa, entre em contato comigo. Ficarei feliz em ajudar!

O uso dos dispositivos móveis no Brasil

mobile_marketing

Uma recente pesquisa realizada pela Comscore mostrou que no Brasil o acesso à internet é feita, majoritariamente, a partir de dispositivos móveis.

A pesquisa mostrou que os brasileiros passam 91% do tempo conectados via smartphones e tablets. Esse acesso cresceu em 6% no ano passado, impulsionado pela pandemia e necessidade de isolamento. Os incríveis números de conectividade mobile do país só ficam atrás da Indonésia e Índia.

A partir dessa pesquisa, muitas empresas viram a necessidade cada vez mais urgente de readequar suas ações de marketing para os meios mobile e atrair cada vez mais clientes.

Mas você sabe por que é tão importante essa readequação e quer ajuda para impulsionar a sua marca nos meios digitais?

Então confira o artigo de hoje!

mobile marketing

Traduzido para “marketing móvel”, esse conceito engloba todas as ações de marketing criadas para dispositivos móveis, como E-mails, mensagens SMS, chatbots, blog posts, redes sociais, aplicativos, vitrines digitais, etc.

É considerado um dispositivo móvel qualquer aparelho que possua um sistema operacional, como Android, iOS, entre outros. Assim, temos como exemplos tablets, smartphones, smartwatchs, SmarTvs, aparelhos GPS, etc.

Observem que, hoje, há uma infinita gama de aparelhos com conectividade e as ações de marketing são pensadas de forma ampla, para melhor atingir o público-alvo de uma determinada marca e construir um relacionamento com o usuário.

Vantagens do mobile marketing

Considerando a pesquisa da Comscore, temos um grande número de pessoas acessando a internet a partir de dispositivos móveis e, pela praticidade do acesso às lojas virtuais, o número de compras via mobile está crescendo

Segundo estudo realizado pela MeSeems/MindMiners, cerca de 62% dos brasileiros utilizam o celular como único canal de compras on-line.

Sendo assim, o primeiro passo é trabalhar em site responsivo para a sua marca e, claro, investir nas redes sociais. Tenha em mente que cada rede social tem um público diferente e exige uma forma de comunicação específica, além de artes específicas para cada formato.

Cliente no centro da estratégia

O mobile marketing possibilita estratégias bem segmentadas e com muita assertividade, pois é possível atrair público baseado no tipo de conteúdo que consome, localização, tempo que passa conectado, aplicativos que utiliza para se comunicar, entre outras tantas possibilidades.

Para saber qual é a melhor opção para você iniciar sua estratégia, vale uma pesquisa bem detalhada para encontrar e entender quem é o seu público.

Experiência valiosa

Antes de tudo, devo lembrar o quão importante é respeitar o seu público por meio de uma comunicação clara, leve e simples, sem oferecer opções que se tornem um incomodo a longo prazo.

Além do mais, proporcione ao seu público ferramentas que facilitem a interação e que atraia a atenção. Seja por SMS, E-mail, ou outras opções, ofereça uma experiência realmente valiosa e encantadora para o seu público. Assim, ele se sentirá mais seguro para fechar negócio mais vezes.

Como você pode ver ao longo do artigo, o mobile marketing anda de mãos dadas com o Marketing Digital e exige muita pesquisa e paciência para a criação da estratégia certa para alavancar seus negócios. Se você ainda tem dúvidas e precisa de ajuda para elaborar essa estratégia, entre em contato comigo! Ficarei feliz em ajudar com o seu negócio!  

Como personalizar o Atendimento ao Cliente?

atendimento humanizado

Personalizar um atendimento vai muito além de tratar o seu cliente pelo primeiro nome ou disparar newsletter informais. O público demanda um atendimento acolhedor, verdadeiro e natural.

Mais do que oferecer produtos usando recursos batidos, o atendimento de hoje envolve uma série de ações planejadas e bem executadas para a criação de um relacionamento único com cada cliente e, claro, destacar-se da concorrência.

E se você ainda está em dúvida sobre como aplicar essa mudança, preparei esse post exclusivamente para você! Acompanhe!

O que é o Atendimento Personalizado?

Antes de tudo, precisamos entender melhor o que é o chamado atendimento personalizado e, porque ele é tão importante para o fortalecimento da cultura das empresas.

O atendimento personalizado é a adaptação do atendimento para atender às necessidades do cliente, visando a entrega de melhores soluções para um problema. Seja através de um produto ou a prestação de um serviço, o atendimento personalizado tem a missão de lapidar essas ofertas para o seu cliente.

Humanização do Atendimento

O princípio básico de um bom atendimento é o atendimento humanizado, isto é, o atendimento pautado na empatia.

Apesar das facilidades da tecnologia, muitas vezes o cliente ainda precisa da interação humana para auxiliá-lo com suas dificuldades. E, claro, temos sempre que considerar as questões de acessibilidade.

Para que esse atendimento seja eficaz, a equipe deve estar bem treinada para promover um diálogo respeitoso, atencioso e empático, além, claro, de oferecer profissionalismo e eficiência.

A construção de um bom relacionamento

Agora que você compreende a importância do atendimento humanizado, é preciso estar onde o cliente está.

Por isso, para você chegar ao seu cliente e facilitar o “encontro”, faça um mapa do perfil de cliente da sua empresa e quais os principais meio utilizados para entrar em contato com a sua empresa.

Afinal, nem todos utilizam Instagram, TikTok ou Facebook, não é? Muitos ainda preferem o contato telefônico e utilizam o Whatsapp para algumas praticidades.

Por ser algo que variável, é importante que esse mapeamento seja bem executado para que você possa personalizar cada vez mais o atendimento e solidificar o relacionamento.

Além disso, seja solícito e responda a dúvidas dos seus consumidores, para gerar segurança e confiabilidade.

Ofertas exclusivas

Todos nós adoramos receber um mimo, e que tal oferecer algumas exclusividades para o seu cliente?

Agora que você já traçou o perfil do seu cliente e entende suas necessidades e dificuldades, que tal pensar me um produto feito sob medida, como ofertas, brindes ou promoções?

Atenção aos detalhes

Cada mínimo detalhe faz toda a diferença no relacionamento com o cliente: a educação, a atenção, as lembranças, o respeito. Cada ação estratégica aplicada no atendimento é uma forma de, primeiro, fidelizar esse cliente.

Você com certeza tem um restaurante, uma academia, uma loja favorita. E entre os fatores que favorecem essa proximidade estão o produto ou serviço oferecido, cuidados administrativos e, claro, o atendimento.

Sendo assim, não negligencie o poder de um bom atendimento e aplique essas dicas em sua rotina empresarial. Garanto que você terá bons resultados e clientes fiéis!

E se você quer mais dicas de como melhorar outros pontos estratégicos do seu negócio, que tal agendar uma Consultoria comigo?

Afinal, quais são as diferenças entre B2B e B2C?

B2B_B2C

Quem consome conteúdo sobre marketing digital, comércio e negócios digitais, com certeza já se deparou com essas duas siglas: B2B e B2C.

Aqui em meu site já falei sobre estratégias de marketing para vender mais para os dois segmentos e, claro, a importância delas para o crescimento do seu negócio.

Mas se você ainda tem dúvidas sobre o que elas significam e como elas fazem a diferença para a eficiência das estratégias da sua empresa, esse artigo é para você!

O que é B2B?

O termo B2B vem do inglês B2B, business to business, que significa “negócio para negócio”.

As empresas classificadas por essa sigla são aquelas oferecem soluções para empresas, desde produtos específicos à serviços personalizados.

O que é B2C?

Já a sigla B2C vem do inglês business to consumer, ou seja, “negócio para consumidor”.

Essas empresas são aquelas que vendem produtos e serviços para um consumidor final que é pessoa física.

Principais diferenças entre B2B e B2C?

A principal diferença entre os dois segmentos é o público-alvo e, entender a relevância dessa diferença, é crucial para o planejamento de marketing do seu negócio.

O segmento B2B trabalha com diferentes modelos de operação, entre eles:

  • revenda: a indústria vende seus produtos para revendas
  • transformação: comercialização de insumos para a indústria;
  • consumo: a indústria ou empresa vende para o consumidor final por meio de um distribuidor ou atacado (mercados atacadistas, marketplace, etc).

Já o modelo B2C é mais amplo e envolve lojas de mercadorias, empresas de serviço, indústria, atacado ou distribuidor que vende para profissional liberal e para o consumidor final, a pessoa física.

Diferenças no processo de venda

Os dois segmentos são complexos e tem suas particularidades, com vantagens e desvantagens. Vamos analisar algumas delas?

No modelo B2B as vantagens envolvem vendas frequentes e maiores, pois é uma categoria de serviço de abastecimento, o que por sua própria essência necessita de um relacionamento bem estabelecido com o cliente.

Enquanto isso o B2C depende de diversos fatores mercadológicos, mas é afetado diretamente pelas emoções. Assim, além das questões econômicas, como a imprevisibilidade do mercado e flutuações de moedas, é um modelo que demanda mais esforços para atrair um consumidor, transformá-lo em cliente e fidelizá-lo.

Diferenças estratégicas

Embora as redes sociais sejam um dos meios mais comuns para trabalhar as estratégias de atração e conversão, lembre-se que os dois segmentos tem as suas especificidades e linguagens próprias.

A primeira coisa a ser considerada na hora de estruturar as estratégias, é considerar o tempo de relacionamento que cada segmento desenvolve com seu cliente. O B2B lida com uma clientela mais específica, exigente e com necessidades complexas.

Por outro lado, o cliente do B2C é mais imprevisível, pois muda seus gostos conforme as influências que recebe, além de ter mais ofertas à seu dispor, o que o torna cada vez mais suscetível à mudanças.

Assim, pense nos meios mais adequados para atingir esse cliente, o que ele espera, o que ele necessita, qual é a melhor forma de conversar com ele.

Como vimos ao longo desse post, a natureza de um negócio é a essência da cultura e da  comunicação de uma empresa. Entender todos os processos internos são fundamental para segmentar e direcionar as estratégias para atingir eficientemente seu consumidor final.

Implementando as boas práticas de marketing na sua empresa, você consolida o seu negócio e abre o caminho para a sua expansão.

Material Bônus

Para saber mais sobre o processo de vendas B2B e entender como o universo das negociações entre empresas foi impactado pelo Digital, baixe o e-Book Gratuito “Como acelerar os processos de Vendas B2B na Era Digital”, da Projetual Comunicação. É só clicar AQUI!

Quer ler mais conteúdos como este? Acompanhe o meu blog, toda semana tem conteúdo atualizado para você entender mais sobre Marketing Digital. Ficou com alguma dúvida? Entre em contato comigo, estou aqui para te ajudar.