Artigos

SEO para negócios locais: um importante aliado na sua estratégia de Marketing

SEO local

Se você é dono de um comércio na região em que mora, certamente está sempre em busca de novos clientes, certo? Seja para uma loja, um restaurante ou até mesmo consultórios, o SEO Local é uma estratégia de captação de clientes que leva em consideração a localização do negócio e a necessidade do cliente que busca por aquele produto ou serviço.

Essa é uma ótima opção para conseguir atrair novos clientes e dar mais visibilidade ao seu estabelecimento. Por isso, hoje quero falar um pouquinho com você sobre SEO Local, vamos lá?

O que é SEO Local?

O SEO Local é uma estratégia de marketing que tem como objetivo otimizar a entrega de resultados de determinado comércio nos motores de busca (Google, Yahoo, Bing). Nesse caso, levamos em consideração a geolocalização e outros elementos. 

Vamos imaginar que um cliente queira presentear a sua esposa com um buquê de flores. Qual vai ser a primeira atitude dele? Buscar por floriculturas na sua cidade, de preferência próximas à sua residência ou local de trabalho.

Portanto, quando esse mesmo usuário realizar a sua pesquisa nos motores de busca, a floricultura que estiver melhor posicionada terá muito mais chances de receber cliques e consequentemente realizar mais vendas.

Como o Google enxerga o seu negócio?

Nesse momento eu vou usar o Google como exemplo de buscador pela sua grande liderança no segmento, mas o conceito vale para todos os demais motores de busca, ok?

Todas as pesquisas feitas no Google passam por uma série de algoritmos para que a plataforma entregue os melhores resultados, considerando os termos que o usuário buscou e sua possível intenção com aquela busca.

No caso do SEO Local os algoritmos ficam ainda mais apurados, uma vez que o Google tem a intenção de oferecer a melhor experiência. E é nesse ponto que nós vamos focar!

Usuários possuem maneiras diferentes de realizar uma busca.

> Alguns preferem pesquisar por “restaurantes perto de mim”.

> Enquanto outros podem buscar  “restaurantes em Curitiba”.

A partir dessa busca é que o Google irá analisar o seu negócio e verificar a relevância dele, para então decidir se entrega ou não o resultado para o usuário.

E as buscas não se limitam aos moradores da cidade somente. Considerando que a geolocalização é um dos principais fatores para o SEO Local, o Google identifica onde o GPS do celular está apontando para indicar os melhores resultados.

Se você estiver viajando para a Itália, por exemplo, e buscar por “pizzaria”, é provável que o Google vá indicar locais na região em que você está, não na sua cidade de origem, afinal, ele já identificou a sua localização. Deu pra entender um pouquinho? Isso é também uma ótima forma de atração de turistas para negócios locais.

Quem pode utilizar o SEO Local?

O SEO local é ideal para quem possui algum estabelecimento físico, como já citei acima. Se você possui um e-commerce, por exemplo, essa não é a estratégia mais indicada para o seu negócio.

Entretanto, se você tem espaço na cidade, você pode iniciar o SEO Local para seu comércio. Aqui, podemos estender para um grande número de negócios, como por exemplo:

  • Lojas de roupas
  • Cafeterias
  • Bares
  • Hotéis
  • Cinemas
  • Teatros
  • Casas noturnas
  • Salões de beleza
  • Barbearias
  • Escolas
  • Hospitais
  • Consultórios
  • Farmácias
  • Restaurantes
  • Estacionamentos

E muito mais.

Benefícios do SEO Local para o seu negócio

A partir do momento em que o Google identifica o seu local como resultado relevante, você será exibido mais vezes quando alguém procurar pelo seu segmento na região, cidade e bairro.

Com as pessoas encontrando o seu local com maior facilidade, você tem muito mais vantagem competitiva em relação aos concorrentes.

Com mais visibilidade, o seu negócio também passa a ser mais conhecido entre os próprios moradores da região, podendo receber mais visitas e converter em mais oportunidades de vendas.

De acordo com uma pesquisa do Think With Google, 76% das pessoas que fazem uma busca local no smartphone visitam o negócio em até 24 horas e 28% das buscas resultam em venda. Legal, né? Além disso, ao aparecer nos primeiros resultados de busca, seu negócio também passa a ter mais credibilidade, não só entre os clientes, mas também no mercado como um todo. Isso também serve para que você possa conquistar novos clientes e estar sempre renovando a sua base de consumidores.

Como otimizar o seu SEO Local?

Existem alguns caminhos que facilitam a otimização do seu negócio frente aos buscadores. Aqui, vou dar algumas sugestões, anota aí:

1 – Tenha um site responsivo e deixe-o otimizado

2 – Invista na produção de conteúdo local e otimizado (como blog posts, por exemplo)

3 – Esteja cadastrado no Google Meu Negócio

4 – Mantenha atualizadas as informações de contato e endereço nas redes sociais

5 – Considere inserir seu negócio em plataformas de locais, como TripAdvisor, por exemplo

6 – Incentive clientes a avaliar e comentar no seu negócio no Google My Business

Gostou das minhas dicas para o sucesso do seu negócio? Fique à vontade para entrar em contato comigo e vamos juntos pensar na melhor estratégia para o seu estabelecimento.

Aproveito para te convidar a assistir ao vídeo 06 Dicas para ter um Site de Sucesso.

Comprar seguidores no Instagram pode ser pior do que você pensa

nao comprar seguidores no Instagram

Comprar seguidores no Insta?

Ganhar 5.000 seguidores durante a noite não é novidade no Instagram. Um clássico, pode-se dizer. São os chamados falsos seguidores ou, melhor dizendo, os bots programados para isso. Eles fazem a sua conta parecer mais atraente por ter tantos seguidores – embora não seja bom para a sua marca. 

Talvez você não saiba, mas ao comprar seguidores no Instagram, você estará prejudicando não apenas a sua marca, mas também a segurança dos fãs reais. Isso porque você acaba dando margem para bots terem acesso à sua lista de contatos e distribuirem spams livremente aos seus seguidores.

É importante lembrar também que a forma de obter esses “fãs de mentira” pode trazer vírus e, consequentemente, roubo de dados coletados da sua conta e dos seus seguidores verdadeiros.

Quem é o responsável: empresas ou influenciadores?

As empresas lucram com esta atividade de programação de robôs que imitam o comportamento humano. Os sites para comprar seguidores têm fazendas de bots, que são criadas em grandes quantidades e os mantêm ativos para que passem despercebidos aos olhos do algoritmo. A partir da plataforma, que os usuários utilizam esses robôs é um grande problema, pois diminui a credibilidade e o valor de uma marca. 

Sobre a questão do aumento de seguidores, em qual parte da sua estratégia a compra de seguidores vai ajudar no seus objetivos? Pense nisso!

Por que comprar seguidores no Insta pode te prejudicar

Além de gerar spam aos seus seguidores e expor informações confidenciais nós também listamos outras 5 razões para NÃO comprar seguidores:

  1. Reduz a sua taxa de engajamento
  2. Não agrega em vendas, afinal bots não compram nada
  3. Seus posts não atingem o público alvo
  4. Prejudica a imagem da empresa
  5. Você quer que robôs conheçam a sua marca ou pessoas reais?

Como aumentar a qualidade das visualizações?

Estas são as 5 dicas mais importantes que podem beneficiar todos aqueles influenciadores que querem evitar a visualização de spam:

  1. Direcione seu conteúdo para um público específico e use anúncios se você tiver o orçamento.
  2. Planeje seu conteúdo: Considere quais imagens funcionam no Instagram e do que seu público-alvo gosta. 
  3. Agende suas publicações em horários e dias-chave; atente-se ao melhor momento. Se você não sabe, use as estatísticas do Instagram, elas certamente lhe darão uma idéia!
  4. Seja pró-ativo. Interaja com os seus seguidores ou com outros que ainda não o estejam a seguir. Fale e interaja! 
  5. Inclua conteúdo interativo. Por exemplo, pesquisas ou perguntas onde todos podem participar. Outras ideias são concursos ou sorteios, pois são uma maneira divertida de recompensar seus seguidores e, ao mesmo tempo, aumentar a viralidade da sua marca.

.

.

.

.

.

Este é um Guest Post.
O artigo foi escrito pela equipe da rankingCoach

Marketing de Experiência: explore os sentidos do seu Consumidor

marketing de experiencia

Nos últimos anos vimos mudanças significativas na forma com que os consumidores preferem fazer suas compras, tanto quanto em como as lojas se preparam para receber os clientes e apresentar seus produtos e serviços.

Enquanto produtos viraram commoditties, o varejo se voltou para o encantamento. Como abordar, encantar e fidelizar consumidores cada vez mais exigentes?

Neste contexto surgiu, e ganha cada vez mais espaço, o Marketing de Experiência, que envolve os consumidores pela conexão emocional: explora sentidos, sentimentos e pensamentos, estimulando ação e identificação.

“O marketing de experiência — também conhecido como Marketing Sensorial — é uma tática que procura trabalhar a relevância de um negócio para seus clientes, através da percepção de todo o processo de compra, interações e experiências que uma pessoa tem com uma empresa.”
(Rock Content)

Tudo sobre o cliente

Essa estratégia se baseia em construir um relacionamento direto entre marca e consumidor. Entretanto é preciso lembrar: para encantar você precisa conhecer muito bem quem está do outro lado. E aí voltamos novamente para ela, a figura principal das “novas estratégias de Marketing”: a Persona.

Entenda o que é e como delimitar a(s) Persona(s) da sua marca clicando aqui.

A construção da Buyer Persona é de grande importância para fortalecer laços com o consumidor, mas depois de entender com quem você está falando, também é importante construir a humanização da marca. Sua empresa está disposta a genuinamente dialogar, ouvir o consumidor e ter uma relação horizontal? E, como próximo passo, está disposta a ajustar seus processos para implantar o Marketing de Experiência?

Como humanizar o discurso da marca

Não existe apenas uma maneira de humanizar sua marca, mas existem algumas dicas, dentre as quais:

  • Posicionamento

Essa é uma das formas mais abraçadas pelas grandes empresas no Brasil: consiste em assumir uma crença (ou posição) e defende-la não só por meio de sua comunicação, mas através de ações efetivas.

Essa é uma maneira de fazer seus consumidores associarem seus próprios ideais com os da sua empresa.

  • Identificação

Não distante do tópico anterior, a identificação explora os principais interesses e ideias do consumidor. Assim ele se sente parte do universo da marca, e sua vontade de pertencimento se estende até o processo de compra. Comprar de determinada marca passa a ter mais valor do que em uma ocasião sem essa conexão.

“O processo de compra cria estímulos, e esses estímulos geram respostas emocionais que ficam atreladas à experiência de compra.”

Os três V’s do Marketing de Experiência

Assim como temos os 4P’s do Marketing e os 8P’s do Marketing Digital, no Marketing de Experiência temos 3 V’s para direcionar as ações: Verdade, Vontade e Valor.

  • Verdade

Sua marca precisa ser verdadeira na comunicação. Na era do Storytelling, apenas histórias verdadeiras perduram – e convencem!

  • Vontade

A vontade de comprar, interagir ou se relacionar com uma marca parte do consumidor a partir da “verdade” mostrada pela empresa. E essa “vontade” está ligada ao contexto da experiência.

  • Valor

Já o “valor” aborda a percepção que os clientes possuem da experiência e das conexões criadas no primeiro contato com a marca. Neste caso, sim, a primeira impressão é a que fica.

Inove e surpreenda

Ao considerar o Marketing de Experiência em sua empresa, pense em uma ideia que seus consumidores não esperam: o elemento surpresa estará ao seu lado se mantiver em mente a palavra “encantamento”. Inovar não significa apenas inventar novas ações, mas também adaptar ideias ao seu negócio.

“O Marketing de Experiência é uma mistura de todas as sensações pelas quais um cliente passa, desde quando era um desconhecido à marca até se tornar um cliente fiel.”

Porém, como dica final: não limite seu pensamento sobre Marketing de Experiência apenas fazendo, por exemplo, um “Espaço Instagramável” dentro da sua loja. Marketing de Experiência não é uma ação pontual de PDV, mas começa pelo treinamento e envolvimento da sua equipe, a experiência Omnichannel da marca e se estende ao pós venda, ao relacionamento e a estar disposto, o tempo todo, de ouvir e se reinventar.

Te vejo no próximo conteúdo! 🙂

Milena Mancini

Marketing Digital para o seu restaurante: qual será a melhor receita?

Marketing Digital para Gastronomia

Escrevi esse artigo originalmente para o Portal da Comunidade Sebrae. Acredito que possa ajudar mais empreendedores, e por isso compartilho por aqui. Boa leitura!

Que o Marketing Digital é atualmente a forma mais eficaz – e econômica – para se comunicar com seu público, ninguém mais tem dúvida. Estima-se que cerca de 90% das empresas brasileiras estejam presentes nas Redes Sociais, que são um verdadeiro fenômeno no país.

Por outro lado, quando uma empresa inicia sua presença digital através de redes como Facebook e Instagram, logo descobre a necessidade de outras ferramentas do chamado Mix de Marketing Digital: anúncios, site, Blog, WhatsApp, influenciadores digitais, e-mails marketing…

Então, dentre tantas opções, qual será a melhor plataforma para começar? Será que existe um jeito certo de se dar o primeiro passo? Qual a receita para cada nicho, se é que ela existe? Para tentar te ajudar e minimizar os riscos de começar errado, vou explicar um pouco neste artigo preparado especialmente para o nicho de gastronomia. Vem comigo!

Quero investir em Marketing Digital. Por onde eu começo?

Primeiro vamos entender que presença digital é mais que postar em redes sociais. Se você não tiver um planejamento e uma estratégia, é provável que em algum momento você se sinta perdido e com a impressão que seus conteúdos não levam a lugar algum (ou, neste caso, não levam clientes a seu estabelecimento…).

É unânime entre os especialistas de Marketing Digital a importância, para todas as empresas, de ter um web site. Afinal, vale a máxima “se não está no Google, é porque não existe”. O Marketing de Conteúdo está em alta, e a tendência é que não recue: quem produz conteúdo com qualidade e consistência tende a aparecer mais.

Mas em se tratando de pequenas empresas, sabemos que por vezes é necessário optar por uma frente única e que, de preferência, possa trazer resultados mais rápidos. É aqui que para muitos setores o Instagram aparece como opção número um. E o mercado de gastronomia é um deles.

Um fenômeno chamado Instagram

A tag #food, no Instagram, tem cerca de 372 milhões de posts. Para se ter uma ideia, é como se um terço dos usuários da rede tivesse um post com a hashtag publicado em seu perfil. É muito, não é? Sim, e os restaurantes no Instagram estão sabendo se aproveitar disso!

O fato de que todo mundo adora tirar foto de comida – e que a instantaneidade (o que se faz ‘neste’ momento) é praticamente um dos pilares desta rede social em particular – não é novidade. No seu início o Instagram era basicamente composto por fotos do que as pessoas estavam comendo e bebendo, o que inclusive estigmatizou a rede por um tempo.

Porém o tempo passou, o Instagram continuou a ganhar usuários adeptos e fieis ao redor do mundo todo, e, principalmente: se reinventou! O fato de o Insta, como é chamado, ser “o queridinho dos brasileiros”, se deve muito à capacidade da rede social estar sempre sendo incrementada com novos recursos. Após copiar o Snapchat e trazer os Stories para dentro da rede, o Instagram conquistou ainda mais gente, e se popularizou entre os jovens. Paralelamente, com a queda do alcance orgânico dos posts do Facebook, empresas em geral – e usuários das faixas etárias mais maduras – migraram em massa para a rede.

Alguns estabelecimentos, especialmente os ligados à gastronomia, souberam aproveitar o boom das “fotos comestíveis” desde o princípio da plataforma. Bem observaram que boa apresentação faz um bom prato e também constrói uma imagem bastante atraente ao consumidor. O Instagram é, e sempre foi, uma rede altamente imagética e, com isso, o setor de gastronomia leva vantagem.

O novo Consumidor é mobile

Outro ponto a favor do Instagram para negócios diz respeito ao comportamento mobile da rede. Diferentemente de outras redes sociais, o Instagram foi totalmente planejado para ser acessado a partir de dispositivos móveis. Ainda hoje para postar na plataforma através de um computador de mesa, por exemplo, são necessários softwares ou aplicativos externos. O Instagram, por si, é para ser usado na palma da mão.

A força dessa característica da rede está na convergência com o comportamento do próprio consumidor, que é chamado de “consumidor mobile”. Além de multiplataforma, o novo consumidor brasileiro é altamente adepto a seu smartphone. Para se ter uma ideia, existem 230 milhões de smartphones ativos no Brasil – e uma população de 210 milhões de pessoas.

O Brasil é o segundo país do mundo no ranking de navegação na internet. Cada usuário brasileiro gasta, em média, 9h29min por dia na rede mundial, e em média, 3h10min por dia no smartphone. Quer ficar impressionado? Estudos indicam que uma pessoa ‘normal’ pega seu smartphone, em média, 221 vezes por dia. Então onde você acha que sua marca deve estar? 😉 

Gastronomia no Instagram

Como uma matéria da BBC mostrou, atualmente existem restaurantes que preparam totalmente seu ambiente para receber instagrammers influentes. Estes estabelecimentos sabem que boas fotos podem trazer um grande número de clientes.

A cadeira de restaurantes Polpo, do Reino Unido, traz um bom exemplo. Lá, parcerias com empresas de bebidas e a cenografia no estabelecimento é pensada para render as melhores fotos e atrair interessados.

“Sabemos que as pessoas vão segurar seus coquetéis e tirar uma foto com a folhagem de fundo para colocar diretamente nas redes sociais”, diz Frances Cottrell-Duffield, da agência Tonic, responsável pelo marketing e relações públicas do restaurante.

Boa resolução, muito zoom, ingredientes suculentos e queijo derretendo: as fotos de comida mais famosas no Instagram.

E não são só curtidas e seguidores que as fotos rendem, mas retorno financeiro direto. Rebecca Milford, editora do site Bar Chick, que mapeia os melhores bares em Londres, traz palavras sábias: “Tenho amigos que vão ao Instagram do restaurante e escolhem o que comer com base no que veem”, ela diz. Ela diz que o retorno é direto para os restaurantes.

Segundo Natalie Seldon, estilista de comida e escritora britânica, os restaurantes no Instagram que sabem o que os olhos dos usuários gostam conseguem se dar melhor e atrair clientes. A estratégia é postar fotos “apetitosas”, que mostrem a comida bem de perto, bem montada, com bastante zoom. Queijo derretendo num prato bem suculento, por exemplo, é algo super famoso. “Quanto mais zoom, melhor; as pessoas amam ver alimentos grandes na tela. E as camadas são ótimas também, especialmente com hambúrgueres.”, diz Natalie.

Boas fotos dentro do restaurante é o equivalente a uma boa review no TripAdvisor, por exemplo. A diferença é que uma projeção no Instagram é bem mais dinâmica e projetada para um número maiores de pessoas, com possibilidades comerciais.

O professor Charles Spence, psicólogo experimental da Universidade de Oxford, na Inglaterra, diz que experimentar um prato delicioso começa mesmo pela visão. “A aparência da comida e a forma como ela está disposta no prato têm grande impacto porque geram expectativas. Nosso cérebro imagina o gosto, e isso influencia a experiência”, diz ele.

Portanto, se você possui um estabelecimento assim, é uma boa hora para se juntar aos restaurantes no Instagram que sabem a importância de uma boa foto. Até porque a proporção de brasileiros que possui smartphone e que tem o Instagram instalado aumentou de 65 para 72% nos últimos 06 meses de 2019. Somos o terceiro país do mundo no ranking de usuários ativos da rede social, com 72 milhões de perfis, atrás apenas dos Estados Unidos (116 milhões) e Índia (73 milhões).

Influenciadores: as estrelas do Instagram 

Falamos brevemente sobre o novo consumidor, então vamos abordar também rapidamente o novo comportamento de consumo: hoje fortemente baseado em persuasão. O novo consumidor prefere comprar de marcas recomendadas por sua rede de relacionamentos, e neste contexto estão as redes sociais.

Reputação digital e as chamadas “Provas Sociais” nunca foram tão importantes. Quando uma marca ou empresa encontra uma pessoa que apresente as mesmas preferências e hábitos de seu cliente ideal, pode – e deve se associar – a ela. Essa associação, muitas vezes denominada “parceria”, pode ser espontânea ou comercial.

Traçando uma comparação com as formas antigas de divulgação, era muito comum que as principais opiniões com credibilidade partissem de críticos, em seus artigos em veículos impressos, como revistas ou colunas de jornal. Hoje, porém, tem mais valor uma postagem em rede social. Os críticos, portanto, passam a ser pessoas “comuns”, mas com poder de comunicar e persuadir.

Outras alternativas dentro das novas mídias

Lembre-se, contudo, que em se tratando da comunicação da sua empresa, vale o ditado “não coloque todos os ovos em uma cesta só”. A estratégia mais inteligente e assertiva sempre será a de compor um mix de ferramentas: unir a presença no Instagram com o atendimento do WhatsApp, por exemplo, tem feito sucesso em muitos setores do varejo.

É preciso entender que cada mídia digital possui seus atributos para alcançar um público específico. O YouTube, por exemplo, também é uma rede em ascensão que permite um lindo trabalho no setor de gastronomia: canais de receitas tem altíssimo volume de acessos. A produção de material audiovisual para essa rede, contudo, não é tão fácil e rápida quanto a do Instagram. Então, pra finalizar, vamos combinar três passos simples:

1.    Foque no Instagram e desenvolva o melhor trabalho que conseguir nesta plataforma

2.    Disponibilize um número de WhatsApp (prefira a versão Business) para atendimento mais rápido dos seus clientes

3.   Cadastre seu estabelecimento no Google Meu Negócio. É gratuito, intuitivo e você faz apenas uma vez (a menos que depois queira ir atualizando fotos, o que, é claro, seria ótimo). Acesse https://google.com/intl/pt-BR_br/business/ e mãos à obra!  

E se você quer uma dica final, já que recomendo que você comece seus esforços nos Canais Digitais pelo Instagram, aposte nos Stories! Nada menos que um bilhão de Stories são compartilhados por dia no mundo. E o formato é amado pelos usuários, inclusive considerado como não invasivo! 73% dos usuários considera os Stories de marcas uma ótima maneira de conhecerem novos produtos e serviços: 65% deles entrou no site da marca depois de ser impactado por ela nos Stories.

Espero que essas poucas linhas tenham te dado algumas ideias. Este Artigo eu redigi a fim de ajudar empreendedores do setor da gastronomia paranaense a ingressarem – ou crescerem – nos Canais Digitais.

Abraço e bom trabalho!

Milena Mancini

Como a empatia pode ajudar o marketing da sua empresa

Como a empatia pode ajudar o marketing da sua empresa

Empatia significa “faculdade de compreender emocionalmente um objeto”, ou ainda “capacidade de projetar a personalidade de alguém num objeto, de forma que este pareça como que impregnado dela”. Como será, então, que pode ser aplicada em uma estratégia de marketing empresarial?

Atualmente as marcas enfrentam uma importante questão: se as necessidades dos consumidores atuais são mais complexas, porque os métodos de relacionamento ainda são os mesmos? Já não basta ter um bom planejamento, uma entrega excelente e uma equipe preparada, é preciso entender o cliente.

Neste sentido, para realizar uma estratégia de marketing de sucesso você precisa lembrar que nada funcionará se sua marca não tiver o mais importante: empatia com os consumidores.

Mas o que é praticar a empatia? No dicionário você encontraria algo como: “se permitir entrar em contato com uma sensação que não é sua, sair da zona de conforto para, com paciência, deixar de lado julgamentos pré-concebidos e enxergar o mundo sob a percepção do outro”. Sob o olhar do marketing, se colocar no lugar do outro (neste caso, do consumidor) pode ser seu principal diferencial competitivo.

Para entender os benefícios que as práticas empáticas podem trazer às suas estratégias de marketing, preparamos algumas dicas para ajudar na criação de novos olhares dentro da empresa ou repensando os existentes.

Conheça a sua marca

Primeiramente, você precisa entender quem sua marca é, qual seu conceito, seu propósito, como funciona o mercado ou nicho em que atua, os produtos que trabalha, os diferenciais que possui e os objetivos que quer alcançar.

Ao se questionar como marca e reavaliar seus objetivos, você ainda não começou a trabalhar com empatia, mas já será capaz de estabelecer metas e dizer se tem um produto (ou serviço) “feito para o mercado”, ou não.

Quando você entender seu negócio segundo a visão de seu cliente, sua empresa não estará vendendo apenas produtos ou serviços, ela venderá soluções úteis e que farão de fato a diferença na vida do consumidor. Você estará criando um valor intrínseco à sua marca / empresa.

Para seu produto ser reconhecido como um solucionador de problemas, você vai precisar descobrir quais os benefícios, vantagens e atributos ele traz. É papel do marketing identificar os desejos e vontades do público para que seu produto possa ser elaborado com base nessas informações.

Conheça seu cliente – de verdade!

Já passou da hora (mas nunca é tarde…) para desenvolver a Persona – ou Personas – da sua empresa. Descreva quem é essa pessoa que compra seus produtos ou serviços, que os prefere e os defende, o seu cliente mais fiel, o seu cliente ideal. Com a definição de seu público, o que ele pensa, gosta, ouve, lê e diversos outros interesses e comportamentos, você conseguirá informações que ajudam a centrar a comunicação.

Outros fatores importantes de serem descobertos são: quais são as redes sociais que seu cliente ideal usa? Com o que essa pessoa trabalha? Ela usa uma linguagem séria ou descontraída? O que ela gostaria de saber mais sobre seu negócio? Quais são as dificuldades que ela encontra? Quais as dores que seu produto ou serviço podem solucionar?

O próximo passo para realmente entender a fundo seu ciente é realizar pesquisas de público. Com essa prática você entenderá melhor com quem sua marca está tentando falar. Procure formular e aplicar pesquisas que vão fazer com que seu modo de ver essas pessoas seja de fato mais aprofundado.

Finalmente, a partir dos dados descobertos, seu negócio possui muitas formas para trabalhar o marketing com empatia. Mas lembre-se, para colocar a empatia em prática é necessário fazer mais do que só conhecer suas Personas: seu negócio deve enxergar a vida sob a perspectiva dessas pessoas. Muito mais do que compradores, os consumidores são indivíduos únicos.

Siga o exemplo de grandes marcas 

Como exemplo de marca que utiliza a empatia a seu favor está a Dove. Ao longo dos anos a marca vem realizando inúmeras campanhas com o foco no amor próprio, buscando conhecer suas clientes, suas personas e desenvolvendo estratégias de comunicação extremamente eficazes.

Campanhas como “Escolha bonita” e “Retratos da beleza real” fizeram com que a Dove alcançasse um espaço no mercado como marca que se comunica de maneira eficaz e com empatia. Essas campanhas alcançam muita mídia espontânea de seu público por tocarem no que é necessário, inclusive conquistando prêmios como Cannes.

Com campanhas bem elaboradas trazendo temáticas como amor próprio, cuidado com o corpo e empoderamento feminino, a marca consegue criar um posicionamento, isso além de ajudar na aplicação a empatia de maneira mais fácil e verdadeira, aumenta o valor da marca para o consumidor ideal.

Marketing Digital precisa ter sensibilidade! As transações podem ser virtuais, mas envolvem pessoas. Por isso o fator humano sempre será determinante! Com a ajuda da empatia, sua empresa chamará atenção das pessoas pelos motivos certos. Mas não esqueça – nunca – que qualquer discurso só é válido se for genuíno.

Um abraço,

Milena Mancini